Arquivos da categoria: Sistemas Operacionais

Como instalar Epoptes no Linux Educacional 4.0

Epoptes é um software open source para gerenciamento de laboratórios de informática. Ele permite o monitoramento de computadores, execução de comandos, envio de mensagens, bloqueio de tela, desligar, reiniciar e muitos outros recursos.

O Epoptes deve ser instalado no servidor e nos clientes que desejamos monitorar. Os passos seguintes devem ser feitos tanto no Servidor como nos Clientes.

Primeiramente execute o comando abaixo para instalar o patch

sudo apt-get install patch

Para o Linux Educacional devemos baixar uma versão otimizada do Epoptes.

Quem nunca trabalhou com PPAs no LE4 precisa baixar este patch antes de prosseguir:
http://redmine.c3sl.ufpr.br/attachments/download/106/distro.py-fix-linux-educacional.patch

Agora entre na pasta onde foi baixado o arquivo, extraia o arquivo, e depois execute o seguinte comando também dentro do diretório onde se encontra o arquivo:

sudo patch -p0 < distro.py-fix-linux-educacional.patch

Vamos então adicionar o PPA no Linux Educacional 4

sudo apt-add-repository ppa:oiteam/proinfo-83.2008

(substitua por 71.2010, dependendo do seu pregão)

Esses passos devem ser realizados tanto no Servidor como nos Clientes.

Agora somente no Servidor execute os comandos para instalar o Epoptes

sudo apt-get update && sudo apt-get install epoptes

Após instalar os pacotes, adicione o usuário professor ao grupo epoptes do seu servidor, executando o seguinte comando:

sudo gpasswd -a professor epoptes

Os passos abaixo devem ser feitos somente nos Clientes

sudo apt-get update && sudo apt-get install epoptes-client

Agora,  vamos usar o kate para editar o arquivo de configuração.

sudo kate /etc/default/epoptes-client

Na linha 7, retire o # da frente da palavra SERVER e substitua o valor depois do = pelo IP do servidor. Exemplo:

SERVER=192.168.0.114

Para descobrir o IP do Servidor digite o comando:

ifconfig

E, na saída, veja o valor do campo inet end da placa de rede desejada. No meu caso, é 192.168.0.114.

Após modificar o arquivo de configuração e salvá-lo vamos obter o certificado OpenSSL do servidor.

sudo epoptes-client -c 192.168.0.114

Substitua o valor 192.168.0.114, pelo IP do seu Servidor.

Para que o Epoptes inicie automaticamente quando ligarmos os Clientes vamos adicionar um script na pasta AutoStart do LE.

Crie um arquivo com o nome epoptes.sh com o conteúdo abaixo, no lugar do IP 192.168.0.114 você deve colocar o IP do seu Servidor encontrado anteriormente:

#!/bin/sh
epoptes-client 192.168.0.114

Agora pelo terminal entre na pasta onde foi baixado o arquivo e execute o comando abaixo para copiar o arquivo para a pasta Autostart de cada usuário, faça isso para cada usuário que você tiver no computador. Substitua aluno1 do comando abaixo, pelo nome de cada usuário, aluno2, aluno3, por exemplo.

sudo cp epoptes.sh /home/aluno1/.kde/Autostart/

Vamos dar permissão de execução ao arquivo copiado para a pasta Autostart, faça isso também para cada usuário, substituindo aluno1, por aluno2 etc.

sudo chmod 765 /home/aluno1/.kde/Autostart/epoptes.sh

Pronto, é só reiniciar os computadores e usar esse excelente programa.

 

 

 

 

 

 

Como instalar ou atualizar o plugin flash-player no Linux Educacional

O Mozilla Firefox é o navegador padrão do Linux Educacional, porém, ele não tem incluso o plugin Adobe Flash Player, que é necessário para visualizar com perfeição  páginas web que contêm animações desenvolvidas na linguagem Adobe Actionscript.

Este post tem como objetivo orientar a instalação do plugin Flash Player no navegador Mozilla Firefox, para usuários do Linux Educacional. Abaixo está descrito um passo-a-passo da instalação.

1. Primeiramente é necessário fazer o download do plugin, no próprio site da Adobe. No campo de seleção, escolha a opção .tar.gz para outro Linux. Posteriormente clicar em Baixe agora.

Download do plugin

2. Entrando na pasta onde salvou o plugin, irá localizar o arquivo com extensão .tar.gz, o que significa que o mesmo está compactado e é necessária a extração. A extração pode ser feita de duas formas, clicando com o botão direito do mouse e selecionando extrair aqui, ou então através do terminal, com o comando tar -vzxf nomedoarquivo.tar.gz .

3. Com a extração uma nova pasta será gerada, com o nome similar a flash-player, abra esta pasta e copie o arquivo libflashplayer.so.

4. Abra o gerenciador de arquivos modo super usuário,  clicando em menu LE, sistema, e selecionando gerenciador de arquivos (modo super usuário). Aparecerá uma tela requisitando uma senha, deve ser inserida a senha de super usuário.

5. Agora basta ir até a pasta /usr/lib/firefox/plugins. Enfatizo aqui que este caminho pode variar, por isto abra primeiramente o diretório /usr/lib, posteriormente localize a pasta firefox, que pode receber outros nomes similares, como por exemplo firefox3.0, dependendo da versão instalada. E por fim localize o diretório /plugins, onde deve ser colado o arquivo anteriormente copiado libflashplayer.so, caso já existir um arquivo com o mesmo nome, é porque já existe uma versão mais antiga do Flash Player instalada, então substitua este arquivo.

6. Para certificar-se de que o plugin foi instalado ou atualizado corretamente, feche todas as janelas do Firefox, e abra novamente. digite na barra de endereços about:plugins, e localize algo similar a Flash, e confira a versão.

Obs.: Este passo-a-passo foi testado apenas na versão 2.0, 3.0 e 4.0 do Linux Educacional. Na versão Linux Educacional para multiterminais, deve ser logado como professor para ter as permissões necessário à instalação. Processos similares devem funcionar para o sistema Ubuntu.

RAID 1 via software no Windows Server 2003

Nesse post é descrito como configurar RAID 1 no Server 2003. RAID 1 é usado para replicação de dados. Exitem três maneiras de se implementar Raid:

  1. A primeira é via hardware;
  2. Fake RAID utilizado pela maioria das controladoras baratas;
  3. Via Software.

Para configurar via software primeiro acesse o menu Iniciar->Ferramentas Administrativas->Gerenciamento do Computador.

Agora, na tela que abrirá expanda o nó de armazenamento e clique em “Gerenciamento de disco”.

Em seguida clique no menu Exibir , aponte para o superior e, em seguida, clique em Lista de volumes

No menu Exibir , aponte para inferior e, em seguida, clique em Exibição gráfica .

Atualizar para discos dinâmicos

Sistemas RAID exigem discos dinâmicos no Windows Server 2003.

Observação Você deve fazer logon como administrador ou como membro do grupo Administradores para concluir este procedimento.

Para atualizar um disco básico para um disco dinâmico, execute estas etapas:

  1. Antes de atualizar discos, feche os programas que estão em execução nesses discos.
  2. Clique com o botão direito no painel de descrição de disco cinza e, em seguida, clique em Atualizar para disco dinâmico.
  3. Se o segundo disco não é um disco dinâmico, siga estas etapas para atualizá-lo para um disco dinâmico.

Espelhar o volume de inicialização e de sistema

Nesse cenário, o disco 1 é o disco em que a imagem do disco 0 será espelhada.

  1. Disco 1 deve estar como espaço não alocado antes de continuar com o espelhamento.
  2. Clique com o botão direito disco 0 (que contém os arquivos de inicialização e sistema) e clique em Adicionar espelho .
  3. Uma caixa de diálogo se abre na qual qualquer disco no sistema que está disponível para espelhamento é exibido. Selecione o disco de sua escolha (neste exemplo, é o disco 1) e em seguida, clique em Adicionar espelho .

Pronto, se você seguiu os passos certo, agora você já possui um sistema RAID 1 funcionando em seu Sistema.

 

Evitando erro de “Wrong permissions on configuration file” no XAMPP

Muita gente(inclusive eu…), após instalar o XAMPP no seu linux, altera as permissões de todos os arquivos do XAMPP e deixa tudo com permissão total para todos (777). E na hora de dar um “start” no serviço mysql ou acessar o phpMyAdmin recebe uma bela mensagem que diz “Wrong permissions on configuration file, should not be world writable!”.

Que bonito!! É uma bela reclamação para o nosso chmod com permissão 777. E agora, como arrumar isso??

Não sei o seu caso, mas para mim foi simples. Ao iniciar, o phpMyAdmin necessita que pelo menos dois arquivos não estejam editáveis. São eles: “config.inc.php” e “my.cnf”. Para resolver, dei permissão 644 para esses dois arquivos e … feitooooo!!! O phpMyAdmin voltou a funcionar.

Por hoje é só, pessoal! Até a próxima.

Tutorial de instalação do SDK Android com Eclipse no Linux.

Em primeiro lugar, o download deve ser efetuado em http://developer.android.com/sdk/index.html, selecione o arquivo referente a plataforma utilizada (Windows, Linux ou Mac) e clique em “I agree to the terms of the SDK License Agreement” para aceitar os termo da licença do SDK e logo a após pressione o botão Download. Abaixo os comandos no modo console para efetuar a descompactação do arquivo SDK e execução do Android.

$ tar -zxvf android-sdk_r04-linux_86.tgz
$ cd android-sdk-linux_86/tools
$ ./android

Sugiro adicionar na variável ambiental PATH a pasta TOOLS do pacote Android SDK. Basta inserir no arquivo ~/.bashrc uma linha informando a localização das ferramentas do Android. A seguir um exemplo da linha a ser adicionada:

export PATH=${PATH}:<pasta de instalação do android>/tools

Ao executar o comando ./android, se tudo estiver funcionando corretamente, teremos um formulário similar ao da figura abaixo:

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Adicione os componentes no SDK e clique na opção Avaliable Packages e selecione a plataforma desejada (Android 1.1, 1.5, 1.6, 2.0, 2.1… ). Caso ocorra problemas de conexão, habilite o uso forçado https selecionando a opção Settings e Force https. E repita a operação.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Na janela de diálogo, clique em Accept e no botão Install Accept.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Instalação do Eclipse

A instalação do Eclipse pode ser efetuada no link http://www.eclipse.org/downloads/, com a extração do .tar.gz ou a utilização do YaST (na distribuição openSUSE) e seleção dos pacotes RPM. Selecione primeiramente o pacote eclipse e pressione o botão Aceitar.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Instalando o plugin do Eclipse (ADT – Android Development Tools):

No meu caso estou utilizando o Eclipse 3.5. Entretanto na página oficial do Android é mencionada a compatibilidade com diversas versões. Para iniciar a instalação do plugin ADT, abra o Eclipse, selecione o item Help do menu principal, logo após o subitem “Install New Software”.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Clique no botão “ADD…” para adicionar o site.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Adicione o Google plugin for Eclipse, no meu caso utilizei o site http://dl.google.com/eclipse/plugin/3.5.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Selecione todas as opções (Google Plugin Eclipse, Google App Engine Java e Google Web Toolkit).

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Repita a operação adicionando o site do ADT (Android Development Tools) digitando o endereço https://dl-ssl.google.com/android/eclipse/ e adicione ambos os pacotes.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Configure o Android selecionando o item Windows e clique na opção preferences.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.

Configure a localização do SDK e clique no botão “APPLY”.

Linux: Instalando o Android SDK na plataforma Linux.
PRONTO agora o seu sdk já esta configurado e pronto para o uso
Adaptado do artigo  Instalando o Android SDK na plataforma Linux disponivel em http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Instalando-o-Android-SDK-na-plataforma-Linux?pagina=1

 

 

O Novo Google Maps Para Android

A Google planeja lançar uma versão atualizada do Google Maps para Android que vai deixar os usuários do iPhone verde de inveja. A nova versão, que a empresa revelou essa semana em uma conferência, vai oferecer aos usuários do Android uma versão bem atualizada que inclui um desempenho mais rápido, gráficos vetoriais em 3D e navegação offline.

Se você já viajou usando o Google Maps você sabe como pode ser importante essa navegação offline. Se aventure por alguns quilômetros fora da cidade para o nada e sua conexão de dados é interrompida. Mesmo nos limites da cidade, se a conexão não for muito boa e diminuir ela pode fazer com que o Google Maps caia, e isso é precisamente o objetivo do modo offline. Segundo o Venture Beat, os gráficos vetorizados menores usados nos mapas atualizados permitirão o cache de dados dos mapas que você usa com mais freqüência, oferecendo uma experiência mais consistente.

google maps android 2 300x474 O Novo Google Maps para o Android Vai Deixar com Inveja os Fãs do iPhoneOs gráficos vetoriais também ajudarão a aumentar drasticamente a velocidade do aplicativo. De acordo com o Gizmodo, o novo app vai baixar cerca de 100 vezes menos dados, “o que leva a um carregamento mais rápido e um zoom mais suave.”

Além da velocidade e do modo offline, o Google Maps 5.0 para Android terá edifícios 3D para mais de 100 cidades, quando você aplicar o zoom. À medida que você move e gira seu telefone, o ponto de vista sobre o mapa vai mudando e mostrando a direção correta.

Segundo o Venture Beat, a nova versão do Google Maps para o Android vai rodar em qualquer dispositivo Android que esteja rodando o Android 1.6 ou superior, mas os dispositivos antigos não serão capazes de utilizar os recursos mais avançados como a renderização dinâmica e a rotação automática.

 

Ubuntu com visual de Mac OS

Para você que usa linux e adora o visual do Mac OS existe o Macbuntu um tema que deixará seu linux igual ao Mac OS sem muito esforço.
Basta apenas executar o Macbuntu que ele fará todo o trabalho, mudará o tema, tela de login e até mesmo o som padrão do seu linux, é um tema fácil de instalar e muito bonito. Você pode fazer o download aqui.
Agora que você já fez o download, extraia o arquivo baixado. Para instalar vamos executar no terminal o arquivo install.sh, para isso entre pelo terminal na pasta que foi criada após a extração e execute o comando abaixo:

./install.sh

Se aparecer alguma mensagem de erro ou incompatibilidade você poderá usar o comando

./install.sh force

que irá forçar a instalação, depois é so confirmar a instalação com um enter e seguir as instruções na tela.

O Macbuntu também possui temas para o Thunderbird https://addons.mozilla.org/en-US/thunderbird/addon/leopard-mail-default-aqua/ e para o Firefox https://addons.mozilla.org/en-US/firefox/addon/macosx-theme-12782/

É isso ai, até a próxima!